© Psicólogos na Paulista

Rua Itapeva, 518 - Cjtos. 605/606       Bela Vista - São Paulo- SP       (11) 3262-4688

Bullying: Atentar-se às mudanças

Psicóloga Tatiana Elvira Teodoro

tatielteo@gmail.com

 

 

          Tendemos a vulgarizar o tema, mas a verdade é que o Bullying é muito mais do que uma roda de amigos, que estão juntos para destacar qualquer característica de um outro alguém, enquanto usam termos pejorativos e  gozação.

É necessário que sejam identificados os critérios de intencionalidade, repetitividade e diferença de poder entre vítima e agressor para que a agressão seja classificada como tal.

          Em um simpósio sobre educação em Seul, a Unesco revelou que o Bullying é uma grave violação do direito à educação. Não é difícil imaginar o quanto uma agressão repetitiva e intencional pode afetar o processo de aprendizagem de uma criança ou adolescente, uma vez que pode ser o gatilho de vários transtornos mentais e desencadear pensamentos suicidas.

          Um estudo feito também pela Unesco em 18 países com 100 mil jovens e apresentado no mesmo simpósio apontou que 25% sofreram bullying por aparência física, 25% por gênero ou orientação sexual e 25% por etnia ou nacionalidade.

Podemos destacar que o agressor vê o seu comportamento agressivo como qualidade.

          Os Bullies, praticantes do Bullying, tendem a se tornarem adultos que desrespeitam as leis, tem dificuldade de relacionamento e podem se envolver em delitos.

          Por outro lado, as vítimas podem desenvolver transtornos mentais como depressão e ansiedade, sua autoestima pode vir a ser baixa, e o índice de suicídio tende a ser maior entre elas.

          Devemos entender pelo que ambos, agressor e vítima, estão passando. É notório que uma criança que vê a agressividade como qualidade e que não respeita o outro precisa de tratamento, assim como a vítima precisa de acolhimento.

          Estejamos atentos às mudanças bruscas no comportamento das crianças, em rotas de chegada até a escola diferentes das de costume, medo e timidez excessivos, falta de amigos, ansiedade e não querer mais frequentar as aulas.

          Pais e Educadores precisam estar juntos nessa luta!

          Contem também com os psicólogos para auxiliá-los!

 

Para agendar uma consulta entre em contato:

Psicóloga Tatiana Elvira Teodoro

tatielteo@gmail.com